Historinha de Viagem

Meu amigo Steve e sua mãe Pam, de passagem pelo Brasil, marcaram um fim de semana em Salvador. Como australianos ficam meio longe e não é sempre que dá, resolvi encontrá-los lá mesmo, aproveitando a oportunidade.

Eles já tinha feito reserva na Casa da Vitória (que eu aprovei e voltarei) e encaminharam meu email, que foi logo respondido e atendido, de modo que em poucos dias eu já tinha minha reserva também. A Suzan, por sua vez, minha fiel parceira da OCA Viagens, tratou de me enfiar num avião!

Buscando dicas e informações, acabei trocando um email com a Augusta, dona da pousada; depois outro e outro… conversa vai conversa vem, fomos ficando assim… amigas de viagem. Eu com minhas histórias, ela com as dela (porque viajar rende muita, mas muita história mesmo) e lá fui eu, com um questionário prá ela responder. Coisa que ela fez gentil e carinhosamente e eu, com mais carinho ainda, reproduzo aqui para todos desfrutarem e ficarem com vontade de viajar, seja prá Salvador, Índia, Peru, Austrália, Tiradentes…

Eta mundo grande!

Pergunta de Viver & Viajar: AUGUSTA, ONDE VOCÊ NASCEU, ONDE CRESCEU?

Resposta da Augusta: Nasci em Salvador, com seis meses meus pais se mudaram para Chiclayo, no norte do Peru, aliás capital da gastronomia Peruana, lá vivi os primeiros 18 anos da minha vida. Em Salvador conheci o meu marido, que, recém formado pensou em se aventurar no mercado de trabalho europeu, resultado: 20 anos viajando!

V&V: O QUE APRENDEU DE MAIOR VALOR VIAJANDO?

Augusta: Aprendi que devemos aproveitar cada segundo que todas as experiências nos oferecem, sejam boas ou más, e graças a estas experiências  aprender a viver a  vida.

V&V: QUE DICAS DARIA PARA UM ESTRANGEIRO PELA PRIMEIRA VEZ NO BRASIL?

Augusta: Diria que o seu país e com ele a sua cultura estará sempre lá a sua espera,  mas que neste  momento ele tem que aproveitar o Brasil e tudo que de bom (ou mau)  oferece.

V&V: E PARA BRASILEIROS QUE VÃO VIAJAR PELA PRIMEIRA VEZ?

Augusta: Diria que aproveite e viva cada segundo com intensidade,  sem saudosismos, diria para se inserir naquela cultura onde se encontra como se fosse a sua, viver suas tradições, experimentar seus sabores, aprender algumas palavras e tentar  uma comunicação mesmo através da  mímica. Diria que independente do tempo da  viagem (alguns dias, semanas,  meses ou alguns anos) só podemos dizer que valeu! se assim agirmos.

V&V: QUAL O LUGAR PREFERIDO, NO BRASIL E/OU NO EXTERIOR?

Augusta: Um dos lugares que me impressionou no Brasil foi a cidade de Tiradentes, sua linda pracinha, o som do carro de boi que continua intacto na minha mente, seus passeios de charrete, suas Igrejas  e suas deliciosas pousadas e restaurantes.

No exterior fiquei encantada com a Índia, como diz o slogan da propaganda oficial do órgão de turismo indiano “Incredible India”. A Índia é assim:  ame-a ou odeia, eu a amei desde o inicio. Lá fiz questão de não  deixar passar nada do que acontecia ao meu redor, posso dizer que me transformei em uma indiana, participei (como penetra) de um casamento indiano , entrei nas cozinhas dos restaurantes, preparei os  pratos com eles, animei cobras, etc. A Índia é um dos lugares mais incríveis que já conheci, sua gente é adorável, honesta, mas tem  tantos outros lugares dos quais gostei muito também…

V&V: POR QUE SALVADOR?

Augusta: Salvador porque sou  baiana, nasci aqui e minha família vive aqui, aqui conheci o meu marido e comecei  esta  vida  cigana, é aqui onde meus filhos agora estudam e é aqui onde abri a minha pousada.

V&V: POR QUE  “ CASA DA VITÓRIA”?

Augusta: Sempre tive muito contato com viajantes, gente que como eu viajava seja por turismo, por trabalho ou simplesmente para descansar. Era o momento  de  voltar para Salvador por acreditar ter chegado a hora de “sentar raízes”, sendo assim pensei no que poderia fazer para poder continuar tendo contato com este mundo que eu tanto gosto e continuar a praticar idiomas. Nada melhor do que uma abrir uma pousada!

V&V: O QUE ESTÁ FALTANDO?

Augusta:

NO BRASIL: Conscientização do povo brasileiro com relação ao próprio  futuro próximo,  preocupação e compromisso  com a educação que deveria ser cobrada com mais veemência do que se cobra uma ajuda assistencial.  Não adianta o governo direcionar cotas aos estudantes se as escolas publicas continuarem a ser tão secundárias na sua administração.

NA VIDA:  Relacionado ao problema citado acima, gostaria de poder viver em uma cidade que oferecesse bem estar ao seus cidadãos, praças decentes, passeios regulares, gostaria de ver as pessoas vestidas de modo mais decente mesmo sob altas temperaturas de calor. Vivi em outras culturas e pude perceber  que é possível melhorarmos a nossa civilização.

NO MUNDO: Na Itália tem um ditado que diz: “tutto il mondo è paese”  se refere ao fato de que em todo lugar encontramos os mesmos problemas, as mesmas preocupações. Acho que grande parte da população se rendeu as grandes mídias que na sua maioria das vezes “idiotiza” quem a segue, nos transforma a muitos em palhaços imitadores do que se diz e do que se fala, para mim isto é um grande defeito do mundo.

NA POUSADA: Estamos felizes, estamos conseguindo  muito em tão pouco tempo de vida (3 anos), a Casa da Vitória esta ficando a cada dia mais conhecida e temos muitos hóspedes fieis, o que nos demonstra que o caminho é o que estamos seguindo. Recebemos muitos elogios  e isso nos envaidece, eu como chefe da “ minha” cozinha fico muito orgulhosa em saber que os nossos cafés da manhã gourmet estão ficando cada dia mais famosos.

 

BOA VIAGEM!

www.ocaviagens.com.br

www.casadavitoria.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>