Ao final de 2018, sentenciei que um português não deve ir embora do Brasil sem antes passar um réveillon na Bahia. Avisei que era quente, mas muito quente mesmo, talvez desumano, mas, ainda assim, uma experiência imperdível.